Os olhos sempre dizem a verdade....!!!

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Quando eu olho para você...



Todo mundo precisa de inspiração, 
todo mundo precisa de uma alma
Uma linda melodia quando a noite é longa.
Porque não há garantias de que a vida é fácil,
quando meu mundo se despedaça, quando não há nenhuma luz para quebrar a escuridão.
É quando eu... olho para você.
Quando as ondas estão inundando o litoral, e não posso encontrar mais o meu caminho para casa... é quando .... eu olho para você.
Quando eu olho para você eu vejo perdão, eu vejo a verdade, você me ama pelo que eu sou, como as estrelas abraçam a lua. Bem ali onde elas pertencem. Eu sei que não estou sozinha.
Você aparece apenas como um sonho para mim, como as cores de um caleidoscópio, que provam para mim tudo que eu preciso, cada respiração que eu dou, você não sabe que  é maravilhosa!
você aparece apenas como um sonho para mim.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Todo Dia...





Com a minha caminhada aprendi a não ouvir somente o que toca ao meu redor, o que gritam sem minha permissão, o que falam sem que eu queira ouvir.
Aprendi a não perceber somente as coisas bonitas que me ofereceram. Aprendi muito mais que isso. Aprendi, por exemplo, que nem só de sorrisos a gente vive, nem só de dias bons - ou ruins - são feitas nossas primaveras. Descobri ao longo desses anos que nossos maiores medos às vezes não passam de receio pelo desconhecido; que se nôs aventurássemos mais por terras desconhecidas descobriríamos caminhos novos, saídas inesperadas, soluções para o que até então não tinha jeito.
Ouvindo muito mais o que vinha de dentro de mim, descobri que a dor pode ser absoluta e relativa. Absoluta quando nos entregamos. Relativa quando a gente consegue contornar os motivos pelos quais ela surgiu. Aprendi também que na Vida tudo é passageiro e, se me permitem a brincadeira, os únicos motoristas somos nós. É passageira a felicidade, a alegria, o contentamento, o romance e às vezes até as amizades e - quem diria - o amor. É passageira também a solidão, a tristeza, a saudade e, acreditem ou não, os nossos amigos também.
Silenciando o mundo ao meu redor e ouvindo mais meu coração, eu descobri que eternos mesmo só os nossos sonhos, e o que podemos fazer agora por eles.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Todo Dia...




A lei de ouro do comportamento é a tolerância mútua, já que nunca pensaremos todos da mesma maneira, já que nunca veremos senão uma parte da verdade e sob ângulos diversos.
O que é pena é que neste areal da vida, onde cada um segue o seu caminho, não haja nem tolerância nem humildade para respeitar o norte que o outro escolheu.


segunda-feira, 18 de agosto de 2014

sábado, 16 de agosto de 2014

Amor é Fogo...





Que tolo e inútil é o fósforo, eles disseram. 
Queima a própria cabeça por uns segundos de fogo.
Um tolo é quem pensa assim, eu acho.
Não entendem nada do jogo.
Inútil é ser trancado em uma caixa até o tempo o fazer morrer. 
Sem saber o que é luz. 
Sem saber o que é brilhar. 
Sem saber o que é arder.

hey... Charles...


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Destinada


O destino te trouxe pra mim 
Como o mar traz uma concha do mar 
Como a onda quebra na praia 
Você quebrou em mim 
Não há mais o que fazer Estava escrito você me encontrar
Eu te amava antes de nascer 
E mesmo depois de morrer ainda vou amar 
Tudo que existe no mundo de bom 
Tudo o que te faz sorrir
Me faz ser música e tom 
Faz a nossa melodia existir 
Se tudo era pra ser assim 
Se tudo sempre é igual 
Não acredito nessa história de fim 

Pra sempre é pra sempre e ponto final.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Porque a nossa Vida é muito importante para não ser levada a sério!

"Entre todas as dificuldades existentes no mundo, com certeza mudar de opinião está entre as maiores. Nosso ego tem pernas e parece condicionado a andar sempre adiante, nunca retroceder. Voltar atrás é para os fracos: assim sopra nosso inconsciente. É verdade que errar é humano, mas esse mundo “de vez em sempre” parece mesmo habitado por pessoas de “outro planeta”. 

Eu sou assim, acredito que você também.

Como faz a maioria, costumo julgar, mesmo sem querer. O que me salva é que assim como faz a minoria, não me importo em rever minha opinião. Em repensar.

Funciona mais ou menos assim: rotulo, sustento essa ideia e, eventualmente, levo uma rasteira. Me engano.
Ruim, não é? Pra mim não.

Embora a frase “estava enganada” não tenha um bom significado, fico feliz por chegar a essa conclusão. Satisfeito porque isso mostra que meu ego existe sim, mas eu sou capaz de fazê-lo calar. Contente, pois rever me faz uma pessoa melhor.

Não existe nada de mal em voltar atrás. Muito pelo contrário. Às vezes o ato de recuar quando necessário é que leva, de fato, adiante."

Quando surgir a dúvida, repense sempre, se há alguma maneira de ser feito diferente.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Extremamente Longe; Maravilhosamente PERTO.







O meu amor é atento, ligeiro e verdadeiro.
O meu amor é saudável, amável e sorrateiro.
O meu amor é cheiroso, gostoso e eterno.
O meu amor é único, presente e desinteressado.
O meu amor é meu, é dela, é ela.
O meu amor vem de Deus e só para ela será.

By-TcS

domingo, 22 de junho de 2014

Parafraseando meu EU

Hoje eu acordei
e senti a grande indiferença por tudo  chegar ao meu "eu".
Foi como se a natureza da minha vida
desligasse os meus circuitos e programasse em meu cérebro um vazio imenso.
Hoje eu estando indiferente às coisas que me cercam,
não sinto as necessidades morais me abraçarem.
Estou insensivel aos meus sentimentos.
Fico cabisbaixa, escondida num canto qualquer do mundo
esperando uma reação qualquer me fazer votar ao normal.
Um normal que me dá prazer de esquecer!

By Ts

quarta-feira, 11 de junho de 2014

CORPOREIDADE É !

CORPOREIDADE É !!!!!!
O texto, agora um pouco modificado, foi redigido em 19 de setembro de
2001, como base de reflexão sobre o tema, em uma aula no Mestrado em
Educação Física da FACEF. A decisão de incluir nas Croniquetas deu-se no momento em que tomei a decisão de publicá-las.
Hoje fui instado, academicamente, a falar sobre corporeidade. Vejam a
contradição intrínseca a este fato: falar e pensar sobre corporeidade e não ser corporeidade. Se me fosse pedido para ser corporeidade, quase bastaria estar aqui na relação com vocês, neste tempo cronológico e neste espaço geográfico. Mas, é evidente que o tempo cronológico
apenas não expõe a corporeidade, pois ela também é kairós, ou seja, tempo existencializado na cultura e na história.
Ao expressar o pensamento sobre o tema, poderia simplesmente dizer o que está grafado no título deste texto: Corporeidade é! Isto basta...., mas, tenho a certeza que receberia muitas críticas acadêmicas por pensamento tão sintético. Assim, dispus-me a realizar, em alguns momentos neste escrito, uma variação significativa de um texto já produzido (onde utilizei o poema Instantes de Borges ou outro), tal qual um intérprete de jazz: apresentar variações sobre um mesmo tema, esperando que isto seja feito com qualidade e atinja a sensibilidade dos leitores/ouvintes.
Corporeidade é voltar a viver novamente a vida, na perspectiva de um ser unitário e não dual, num mundo de valores existenciais e não apenas racionais, ou quando muito, simbólicos.Corporeidade é voltar os sentidos para sentir a vida em: olhar o belo e respeitar o não tão belo; cheirar o odor agradável e batalhar para não haver podridão; escutar palavras de incentivo, carinho, de odes ao encontro, e ao mesmo tempo buscar silenciar, ou pelo menos não gritar, nos momentos de exacerbação da racionalidade e do confronto; tocar tudo com o cuidado e a maneira de como gostaria de ser tocado ;saborear temperos bem preparados,discernindo seus componentes sem a preocupação de isolá-los, remetendo essa experiência a outros no sentido de tornar a vida mais saborosa e daí transformar sabor em saber.
Corporeidade é buscar transcendência, em todas as formas e possibilidades, quer individualmente quanto coletivamente. Ser mais, é sempre viver a corporeidade, é sempre ir ao encontro do outro, do mundo e de si mesmo.
Corporeidade é existencialidade na busca de compromissos com a cidadania, com a liberdade de pensar e agir, consciente dos limites desse pensar e desse agir.
Corporeidade é, novamente variando sobre o poema mencionado: andar mais descalço para o retorno ao respeito à natureza ; nadar mais rios, procurando batalhar por águas límpidas e cristalinas; apreciar mais entardeceres, onde o horizonte não seja um buraco de ozônio ou esteja camuflado por nuvens de poluição; viajar mais leve,sem levar, sempre, um guarda chuvas, uma bolsa de água quente, uma galocha e um paraquedas; viver o dia a dia com menos medos imaginários.
Corporeidade é incorporar signos, símbolos, prazeres, necessidades, através de atos ousados ou através de recuos necessários sem achar que um nega o outro. É cativar e ser cativado por outros, pelas coisas, pelo mundo, numa relação dialógica.
Corporeidade é tema de discussões científicas, realizadas com radicalidade, com rigor e de forma contextualizada, mas sem separar o corpo em partes para depois juntar; sem manipular pessoas para depois desculpar; sem criar prosélitos para depois deixá-los a ver navios; sem transformar teorias em dogmas, pois enquanto aquelas são abertas e passíveis de reformulações, estes são sinônimos de regras imutáveis a serem seguidas, justificando tudo, às vezes até a ausência da corporeidade.
Corporeidade é sinal de presentidade no mundo. É o sopro que virou verbo e encarnou-se. É a presença concreta da vida,fazendo história e cultura e ao mesmo tempo sendo modificada por essa história e essa cultura.
Corporeidade sou eu. Corporeidade é você. Corporeidade somos nós, seres humanos carentes, por isso mesmo dotados de movimento para a superação de nossas carências. Corporeidade somos nós na íntima relação com o mundo, pois um seu o outro são inconcebíveis.
Para os que estão pensando que corporeidade é Bom-Bril, ou seja, tem 1001 utilidades, lamento dizer que estão errados, pois corporeidade não é algo que me aproprio com um fim utilitário. Quando penso
na idéia de apropriação, já destinei o corpo a uma posição de submissão ao espírito ou à mente. Aí, já diziam pensadores como Marx e Nietzsche: a soma das partes não dá o todo.
Corporeidade não é tema que vai salvar o mundo. No entanto,corporeidade é existencialidade viva, e a vida preserva e se nutre da relação com o meio ambiente.
Corporeidade é o ser vivente exercitando sua motricidade. Corporeidade não é um conceito, é um estilo de vida na busca da superação.
Enfim, CORPOREIDADE É! - 
Croniqueta 27 – Produzida na Atual Forma em 27-01-2003
Wagner Wey Moreira

domingo, 25 de maio de 2014

Plágio de Pensamento...


"Minha amiga disse que eu sou muito folgada, quero que o mundo se adapte a mim. E que esse é o meu problema, eu já começo colocando barreiras, vou morrer sozinha. 
Não gosto quando praguejam que eu vou morrer sozinha, como se eu estivesse fazendo por merecer esse grande final. 
E não gosto, principalmente, porque isso não seria um castigo e sim uma escolha. 
Juro que prefiro solidão a um do que a dois. 
Ou, no auge do egoísmo, parar com um desses carinhas que a gente sabe que são incríveis, mas não rola, não flui. Eles merecem ser amados e eu não tenho o direito de privá-los disso.
 Acredito que folgada seja quem se espalha nessa comodidade. Não crio barreiras. Elas se criaram sozinhas quando eu me posicionei pro mundo. 
E acho que se for pra ser, se for mesmo pra ser, o cara quebra as barreiras. Se não for, elas me poupam. E tem me poupado! De todos os tantos anos que me virei do avesso pra me adaptar aos outros, só ganhei cicatrizes. Parei. 
Se é a melhor postura, não sei, mas hoje eu ando sem dor.
 Minha amiga derruba barreiras, escancara as portas e tá aí, sem amor. 
Sentimento não é um favor. Prefiro ser minha a viver disposta a ser de quem for."

terça-feira, 11 de março de 2014

(des) ... Ilusão?


Vamos refletir a respeito da palavra, “desilusão”; Sei que ela é uma palavra feia e que ninguém gosta de se desiludir. Mas você já parou para pensar que ela, a desilusão, nada mais é do que uma grande libertação? Significa que você tinha se iludido, estava vendo as coisas ou as pessoas de uma forma que não condizia com aquilo que você esperava e que a fantasia chegou ao fim, deixando você livre para procurar em terrenos mais férteis. 
Na maioria das vezes, ninguém nos engana. Somos nós que não vemos o que está na nossa cara ou preferimos não ver porque a fantasia é mais gostosa. 

quarta-feira, 5 de março de 2014

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014



Cabe ao homem compreender que o solo fértil, onde tudo que se planta dá pode secar. Que o chão que dá frutos e flores, pode dar ervas daninhas; que a caça se dispersa, e a terra da fartura pode se transformar na terra da penúria e da destruição. O homem precisa entender, que de sua boa convivência com a natureza depende sua subsistência, e que a destruição da natureza é sua própria destruição. 
Pois a sua essência é a natureza, a sua origem e o seu fim.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Cefaléia Crônica é algo Real.


Meio ano desde a última postagem, já encontrei com 2014 e o que tenho a dizer é -  Eu existo e sempre vou existir...!